Liutprand - Associazione Culturale

PETIZIONE MONUMENTO LA PALISSE, LEGGI E FIRMA ANCHE TU
sezione articoli
HomeArticoli dal Mondo › Articolo
di Alberto Arecchi
O DESAPARECIMENTO DA ATLÂNTIDA


Imagine de voltar para trás no tempo, há 3300 anos, em volta do ano 1300 a.C. – isto é 9000 meses - não 9000 anos! – antes de Solão, avô do filósofo Platão e autor da informação sobre a terra perdida da Atlântida.
Nesse tempo, o mar conhecido hoje como Mar Mediterrâneo devia ser dividido em duas porções, sobre níveis diferentes, privadas de comunicações mútuas. O Mediterrâneo ocidental e o Tirreno estavam – como hoje – em comunicação com o oceano, através de Gibraltar, pois esse estreito se abrira mais de mil anos antes. A parte oriental – o Mediterrâneo dos Gregos – era corretamente "um mar interior", como um lago, da Pequena Sirte às costas Siro-Palestinenses, incluindo o Adriático mais baixo e o mar de Cândia (então o território do Egeu, emergindo todo, era uma planície, coroada por montanhas vulcânicas). Suas águas seriam aproximadamente 300 m sob o nível de hoje. Nós anotaremos este nível como "nível zero", a fim medir as alturas relativas.
O Canal de Sicília (como hoje é chamado) era nesse tempo uma planície fértil, molhada dos rios e protegida por montanhas elevadas. No extremo oeste do Mediterrâneo oriental, não distante de Malta, duas bocas ofereceram a passagem para um grande golfo, profundo mais de mil metros. Em torno desse golfo, uma flórida civilização foi desenvolvida por povoados líbicos, que talvez tivessem vindo para baixo pelos planaltos do sul.
Quem tivesse vindo pelo leste, de Creta ou do Egito, teria visto uma costa rochosa, em que os dois estreitos de 15-30 km se abriam, nos lados de um ilhote, medindo aproximadamente 150 m de altura. Nós podemos identificar neste sistema as colunas de Hércules da antiga mitologia (uma das duas "colunas" sendo a ilha de Malta).
Para o noroeste, ao lado do golfo grande, um pico elevado (mais de 1100 m das águas do mar mais baixo), que hoje nós conhecemos como a ilha de Pantelleria.
O mar ocidental, conectado desde muitos séculos com as águas do oceano através da boca de Gibraltar, estava próximo para transbordar e espalhar para o golfo e o Mediterrâneo oriental, colocado em um nível mais baixo. Os povos (Atlantói-Tjehenu) que habitaram aquelas terras eram convencidos que o recurso geográfico poderia durar eternamente, como eles o conheciam.
Ao oeste do "porto" ou golfo espalhava-se uma largura, a planície fértil, que corresponde perfeitamente, em características físicas e climáticas, ao território descrito por Platão. O filósofo narra que os habitantes da Atlântida cultivavam - entre outro - tâmaras e bananas, e na fauna destaca a presença dos elefantes.
A distância do golfo, para o sul, até às beiras do Mediterrâneo ocidental, é de 540 quilômetros, e da costa do golfo até os relevos, que limitavam um mar interno, 360 quilômetros.
Nos montes vulcânicos havia as minas de metais (cobre, etc.) e, à distância aproximada de 450 quilômetros das águas do Mediterrâneo, espalhava-se uma bacia enorme de água: como um mar, cuja a superfície estava no nível de 650 m em cima do Mediterrâneo. Esse mar coletava as águas de uma bacia imensa cuja extensão, para o sul, chegava até o Tassili e o Ahaggar (montanha de Hoggar, então chamada "Atlas", concordando com Heródoto). Suas águas, então, tinham um emissário que descia para o leste, ao Mediterrâneo: um rio perenne, que molhava as terras da planície. O fundo dessa bacia é hoje um grande sedimento da areia, o Grande Erg oriental (Igharghar): um dos maiores desertos de areia no mundo.
Duas eram as trilhas principais das costas mediterrâneas para as montanhas de Ahaggar. A primeira ao longo da costa ocidental do antigo mar superior, outra ao longo de sua costa oriental. Esta era "a grande estrada dos carros", assim chamada pelas pinturas na rocha e grafitos, representando cenas da vida do segundo milenário a. C., com caçadores, pastores, excitadores do carro.
Nessa região um povo pre-Líbio fundou um império. Eram grandes construtores e navegadores e conheciam a escritura, com um alfabeto similar ao líbio-bérbero; eram chamados "Tjehenu" pelos egípcios e eram os Atlantói dos diálogos de Platão.
Eles poderiam ter alcançado as costas do Mediterrâneo das grandes montanhas do sul, chamadas "Atlas" por Heródoto.
Em volta de 3000 a. C., os Atlantói sabiam construir fortalezas com grandes pedras e viviam em luta constante com o império dos faraós: a chamada "guerra do bronze". Entre os produtos de importância vital para a propagação da tecnologia, tiveram o monopólio importante da obsidiana, uma pedra (vidro vulcânico) muito importante para a produção das lâminas e de outros objetos. As minas de cobre nativo (oréi-calkos) estavam nos montes da Atlántida, mas na inovação tecnológica era importante o uso do bronze, liga de cobre e de lata, com dureza e resistência melhores.
O objetivo estratégico a fim obter o monopólio do bronze era o controle das minas da lata, de que África está faltando. Os faraós, graças à longa guerra contra os hititas, conquistaram o controle das minas da Anatólia. A lata dos Atlantói veio do sudoeste da península ibérica, e talvez de Cornwalls. A rede de seus comércios e relacionamentos poderia ter sido conectada com a propagação das "culturas megalíticas" na Europa e no Mediterrâneo ocidental.
De acordo com o conto de Platão, os Atlantói praticavam a agricultura, construíam cidades, fundiam os metais (ouro, cobre e lata), conheciam a escritura. Praticaram um expansionismo estendido até Tirrênia (Latium e Toscana), lutaram por 2000 anos contra o Egito e as populações paleo-Gregas que viveram nas costas da planície egeia.
Todo esse mundo acabou no prazo de 24 horas, em um dia de um ano entre 1235 e 1220 a. C. Uma série violenta de terremotos rachou seriamente as represas rochosas que contiveram as águas do mar saariano superior e do Mediterrâneo ocidental. As águas superiores causaram ondas gigantescas de inundação. Também calculando por defeito o volume do mar interno e superior, este conteria ao menos 50.000 quilômetros cubos de água.
A enorme cascata teve um impacto direto com a ilha e a cidade capital da Atlântida.
Ainda hoje, se olhar com atenção em um mapa geográfico ou em uma foto satelitar, você poderá ver, na região do Grande Erg oriental, do golfo de Gabès e da pequena Sirte, as marcas desta antiga catástrofe. O golfo de Gabès aparece como um "funil" e não é difícil perceber o corredor da água que furou a barragem.
A mesma série de terremotos partiu outros diafragmas de rocha: no primeiro lugar aquele que limitava ao norte a grande planície pelo Mediterrâneo ocidental, que já era conectado também aos oceanos. Os dois mares Mediterrâneos ficaram derretidos em um único mar e a Atlántida, com a sua civilização, ficou para sempre inundada sob uns cem metros de água salgada. A planície egea também ficou inundada, e suas montanhas transformaram-se em ilhas. Os antigos portos cobertos da água salgada, como as cidades litorais e as terras agrícolas.
O panorama catastrófico parece completo se nós imaginarmos que a mesma série de terremotos provocou a ruptura do diafragma que conectava a Itália à Sicília, com a abertura conseqüente do estreito de Messina. Os portos na área do Mediterrâneo oriental foram submersos.
Lama e correntes renderam difícil a navegação na pequena Sirte e no Canal de Sicília, como foi relatado por Platão e por outros autores clássicos (incluindo as narrações do mito dos argonautas).
Se o que nós expusemos for credível, a Atlântida nunca moveu-se, nem mergulhou nos abissos oceânicos. Foi virada por ondas enormes, suas ruínas foram cobertas por dezenas de metros de lama e de areia e então por uns cem metros de água.
A destruição do centro econômico e cultural da Atlântida pode parecer conectada à misteriosa interrupção da cultura megalítica, na área do Mediterrâneo ocidental: Península ibérica, Sardinha e Córsega e - nós poderíamos adicionar - até as ilhas britânicas. Um pólo importante de referência desapareceu, um país de grandes navegadores, habituados a negociar com os países ocidentais a fim de importar a lata, essencial para fundir o bronze, e na troca exportaram a obsidiana e outros produtos Mediterrâneos e alimentos.
Poderia ser interessante encontrar os diferentes níveis litorais submersos, correspondentes à progressão das águas, do momento da catastrofe da Atlântida até o enchimento completo do mar Mediterrâneo oriental ao nível oceânico. Uma confirmação importante, relativa aos níveis antigos, podia vir da busca na profundidade de Creta dos antigos portos da civilização Minóica.
A destruição do centro económico e cultural da Atlântida causou várias conseqüências sérias, os traços de que são os "mistérios" daquelas áreas:
- a desaparição dos construtores de megálitos, em toda a área do Mediterrâneo ocidental. A população local tinha caído para trás em um regimen da pobreza e do subsistência alimentar, tal que não permitia eles construir grandes obras.
- as ocupações sucessivas das grandes ilhas (Sardinha e Córsega) pelos Povos do Mar fizeram mais e mais para afundar no mistério as origens daquele "povo dos megálitos" que os tinha precedido.
- talvez um pequeno grupo de sobreviventes dos povos Tjehenu conservou a memória no mito da rainha Tin Hinan, enterrada nas montanhas do Ahaggar, no coração do Saara. Pode ser um traço, ao menos no permanecer do nome, como o alfabeto tifinague, usado nas línguas líbias-Bérberas mais antigas.
Uma objeção freqüente foi: "se toda esta história era óbvia, então porquê ninguém escreveu antes". A resposta é muito simples: "é mesmo porquê alguém a escreveu, que nós podemos contar esta historia. Platão escreveu, e com grande precisão; e o mesmo fizeram alguns dos estudiosos mais importantes do mundo antigo: Eudoxo de Cnido, Diodoro de Sicília e outros autores antigos, com uma precisão digna de los repórteres modernos.
Devemos ser gratos à atenção de Platão se o relatório de Solão sobre a Atlântida nos chegou: uma memória que poderia desaparecer, enterrada no oblívio, como muitos outros eventos esquecidos no curso da história da humanidade.


Este é um sumário do livro italiano: Atlantide. Un mondo scomparso, un'ipotesi per ritrovarlo, ed. Liutprand, Pavia, 2001.
O autor, Alberto Arecchi, é um arquiteto italiano, e vive em Pavia (Italia). Trabalhou por uns 15 anos em diferentes países da África, de 1975 a 1989, como perito da cooperação internacional para o desenvolvimento.
Alberto Arecchi é o presidente da associação cultural Liutprand. Seus interesses profissionais principais são: restauração de arquiteturas históricas, bio-arquitetura, construções com tecnologias apropriadas, planeamento de cidade, projetos para o desenvolvimento com forte participação popular.



Associazione culturale Liutprand 27100 PAVIA      copyright ©1994-2018 e-mail: liutprand@iol.it